Lista de Livros Recomendados – Prof. Larissa Leal

Eis a minha lista. Depois da lista do Capri, tudo ficou ainda mais complicado.
 
Enfim, é o que tinha para hoje:
 
ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. (Aristóteles, em sua obra fundamental sobre Ética, fala a seu filho Nicômaco. Uma aula de um homem a seu filho sobre o viver. Destaco um momento especial, já no entardecer da obra, em que Aristóteles afirma: não espere a morte para inventariar a vida e concluir se você foi ou não feliz. Mantenha um estado de felicidade. Mesmo considerados todos os percalços da vida, a prática das virtudes será permanente no homem feliz, posto que a felicidade o impedirá de praticar atos odiosos e vis, em qualquer situação).
 
HOMERO. A Ilíada. É a mais antiga (até agora, porque o passado sempre guarda grandes novidades) obra literária ocidental. Aventura de mais alto nível na Tróia em guerra. Deuses com vontades mundanas, homens com poderes divinos, intrigas e a base do que somos).
 
ERASMO. Elogio da Loucura. (A loucura talvez seja o único ambiente em que nós podemos preservar quem somos. Em dado momento, Erasmo afirma: “O mundo não passa de uma sombra e uma aparência. Tudo no mundo é tão obscuro, tão diverso, tão oposto, que não podemos nos assegurar de nenhuma verdade”).
 
CERVANTES, Miguel. Dom Quixote de La Mancha. (Cervantes escreveu uma sátira à literatura de seu tempo – final do século XVI e início do século XVII. A aventura que nasceu de sua crítica ácida nos traz o personagem mais doce e apaixonante de toda a literatura: o Cavaleiro da Triste Figura. Dom Quixote, sequelado pela leitura dos romances de cavalaria, que combate moinhos de vento, é completamente alucinado, tem grande amor no coração por sua Dulcineia Del Toboso – que existe apenas em sua mente -, e anda sempre acompanhado por um companheiro fiel, Sancho Panza). Literatura do mais alto nível – para sorrir.
 
MANN, Thomas. A Montanha Mágica. (Ironia refinada em literatura, aqui a obra reclama uma boa dose de traquejo reflexivo com as condições da Europa da primeira metade do séc. XX. A Montanha é um sanatório, mas Hans Castorp é envolvido, durante o tratamento, em um belo e intenso processo educacional. Por mestres, Castorp tem um belo humanista liberal italiano, Settembrini – e o liberalismo fica, de fato, muito belo nas tintas de Settembrini -, e Naphta, marxista-niilista, que, ao mesmo tempo, é também um jesuíta judeu reacionário, ressentido com a perda de fé no mundo. Condenados pela enfermidade, quem ali está para tratar-se acaba esquecendo-se da finitude da vida. E simplesmente vivem: Castorp apaixona-se, estuda, pensa….vive). Todas as pessoas devem ler essa obra antes de morrerem. Como a morte é incerta, impõe-se ler a primeira vez logo…e repetir a leitura a cada 2 anos – acreditem, esse livro sempre muda muito com o nosso tempo.
 
GORZ, Andre. Carta a D. (uma carta de amor de Andre Gorz, um pensador da esquerda europeia da década de 60, a sua esposa, Dorine. Um elogio aos 54 anos em que viveram juntos, enquanto o mundo mudava, de um lado para o outro e voltava a ser o que sempre foi…é, repito, uma carta de amor. Simples e bela).
 
Agora os jurídicos:
 
DOSTOIÉVSKI, Fiodor. Crime e Castigo. (Os russos prescindem qualquer apresentação. Ops, não é jurídico? Bem, o autor não é jurista, mas o livro…bem, fala de tirania, de opressão, sendo um primor na busca e manejo de estratégias de justificação. Convenhamos, é a cara do direito).
 
PONTES DE MIRANDA. Tratado de Direito Privado, tomos I a VI. (Normativista hermético, Pontes é Pontes. Muito bom, mesmo que você não concorde; fundamental, mesmo que você dispense depois).
 
MARQUES, Claudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor. (única mulher já referenciada a ministrar o curso anual de Direito – isso mesmo, o curso é de Direito – na Academia de Haia, CLM revolucionou o direito privado não apenas no Brasil, mas na Alemanha e em praticamente toda a Europa. Elegeu um ramo do direito que abarca todas as gentes e lançou-se a um vazio tamanho que, acreditem, sua obra foi a primeira específica sobre a matéria nesses dois países).
 
ROSS, Alf. Tu-Tu. (você tem direitos subjetivos? Que bom: você está tu-tu. O que isso quer dizer? Nada!)
 
Larissal Leal é advogada consumerista e professora titular na Faculdade de Direito do Recife-UFPE.

Deixe uma resposta